segunda-feira, 9 de outubro de 2017

RELACIONAMENTO = MANIFESTAÇÃO DO REINO







A alguns dias eu tenho sentido em meu coração Deus sempre estar falando e me mostrando a cerca de relacionamentos. Me vieram a lembrança dos ruins, outros mais ou menos e outros tantos bons. Me lembrei do que sofri, como sofri e depois como me levantei e o que aprendi. Dos bons deram frutos já tive oportunidade de colher alguns e tenho certeza que terei muito ainda para colher. Mas, os frutos assim como relacionamentos tem o seu próprio tempo de maturação e as vezes não sabemos esperar o tempo certo e o fruto é colhido sem estar maduro; o relacionamento é rompido. Tempo é algo crucial na nossa existência, pois é ele que nos ajuda a entender se e quando estaremos preparados para tal relacionamento. Fomos formados do barro e Deus além de sujar Suas mãos para isso Ele teve que ter um tempo para que tudo fosse feito conforme a vontade Dele; do jeito que Ele queria; da forma que Ele queria. O tempo também é importante para que haja um relacionamento, pois ele nos aproxima, nos mostra, nos ensina a lidar com quem nos relacionamos. Um relacionamento precisa evoluir, amadurecer para que haja a troca tão desejada por quem temos este relacionamento. Com Deus não é diferente! Desde Gênesis a Apocalipse o que vemos na Bíblia é Deus querendo ter um relacionamento com a obra de Suas mãos, ou seja, conosco. Desde que Ele criou o homem o desejo Dele era compartilhar com o ser humano o amor, a bondade, justiça, paz, harmonia, em fim uma gama de sentimentos que Ele desejava ter conosco diretamente, face a face, pois Ele havia criado o ser mais complexo do que tudo o resto que Ele havia criado como o universo, o sol, a lua, firmamento, as águas, os animais de toda espécie e plantas. Todos esses elementos, desde que foram criados, fazem exatamente o que o Criador os ordenou a fazer. Mas existiu um dentre tantos outros que foi o que Ele mais se esmerou, mais amou e desejou em fazer. Olhava para Si mesmo e o esculpia em barro, via exatamente onde iria estar cada órgão, cada membro, cada centímetro de nós e não adiantaria nada disso se essa obra não se relacionasse com Ele. Eis que veio o momento em que Papai sopra sobre nós o espírito que vivificou tudo o que ele havia feito com Suas próprias mãos. Isso ocorre em Gênesis 2:7. A palavra espírito em hebraico é ruach ou pneuma no grego e esse sopro que Deus faz nas narinas do homem nada mais é que o Seu Espírito dando vida a uma obra inanimada. Vemos em vários momentos o Espírito Santo trazendo vida ao que já estava morto. Na passagem de Ezequiel 37 a passagem emblemática e bastante profética conhecida como O Vale de Ossos Secos, Deus diz para que o profeta declarasse sobre aquele enorme vale cheio de ossos mirrados e ressequidos e o profeta obedeceu e eis que o Senhor soprou fôlego de vida e eles reviveram. Fôlego, vento, sopro, respiração, todas essas palavras que parecem ser tão comuns em nosso dicionários tem uma relevância imensa para Deus; vida, pois foi assim que Adão abriu seus olhos e eles puderam desfrutar de um relacionamento em que todos os dias a tardinha Deus vinha até Adão e eles conversavam e se relacionavam. Posso imaginar a cena do Pai ao lado de seu filho falando das coisas da vida, de quem Ele era, o porque criou Adão, trocando sentimentos e intenções. Já falei várias vezes aqui no Blog Deus é Deus de relacionamentos e não de experimentos. Ele não experimentou ficar com Adão e se não fosse o que Ele tinha imaginado deixaria-o de lado. Ele não ficaria ao seu lado e ao primeiro questionamento Ele o teria se apartado Dele, pois Ele tinha uma coisa muito importante num relacionamento, PACIÊNCIA, e tenho certeza que ele não se refutaria em ensinar ao homem. Mas o que a Bíblia conta é que apesar de todas as suas perguntas respondidas por Deus, após não estar mais sozinho no mundo tendo Eva como sua companheira, Adão não obedeceu a uma única restrição/ordem que Deus tinha lhe dado que era a de não comer da árvore do fruto do Bem e do Mal, porque haveria a morte para ele. Só que não sei se Adão era obtuso demais ou a Eva sábia de menos, mas verdade foi que o inimigo conseguiu enrolar os dois e então A Criação foi tirada do jardim. 

Ocorreu a primeira morte espiritual da história, pois a desobediência deu lugar ao pecado e então não foi mais possível Deus se relacionar da mesma forma que antes com o homem. O homem caiu não porque foi enganado, mas porque ele achou que não teria problema nenhum desobedecer. Na verdade ele não tinha a real dimensão do que era essa atitude, pois o relacionamento entre eles era de confiança mútua e isso bastava para ambos naquele momento. Quando foi posto a prova esse relacionamento de confiança e viu-se que ele pôde ser corrompido pela falta de visão e de entendimento; o relacionamento que era diário e íntimo ao ponto de Deus sair de seu Alto lugar e vir até o Éden para ter esse tempo com Adão e esse momento de intimidade caiu por terra e houve a grande separação. Nesse coração ferido pela separação vieram os sentimentos de medo, porque não se sabia o que lhes aguardava fora do Jardim, angústia pela falta da convivência, sentimento de apartamento, ou seja, ficar totalmente longe do Criador e principalmente carregar a culpa de se responsabilizar por não ter sido obediente e terminado com esse relacionamento diário.  Mas creio que Deus já sabia, porque antes que o haja houvesse Ele já sabia, mas o mundo seguiu seu curso e a humanidade mostrou o seu lado mais sombria ao Criador. Enquanto houve o relacionamento entre o homem e Deus, houve a manifestação de Seu Reino na terra que podemos entender pelo fato do Éden ser perfeito tendo todas as necessidades do homem supridas por essa manifestação, pois havia comida, havia água, havia abrigo, não havia calor ou frio, não havia medo, solidão, ou seja, todas as necessidades eram supridas material, emocional e espiritualmente.  Adão no Éden estava em um corpo glorificado e não havia o sentido de nudez ou vergonha. Deus não providenciou um Armani para ele desfilar pelo jardim, pelo contrário, ele estava nú aos nosso olhos carnais, mas vestidos com vestes de louvor e adoração, porque ele foi Criado por Deus, ou seja, ele estava em um corpo glorificado. Quando a separação aconteceu o espírito do homem que resplandecia do lado de fora foi obrigado a se colocar dentro dele e foi então que Adão se deu conta de sua nudez e sentiu vergonha por estar assim quando Deus o chamou naquele dia. Tudo por conta de um fruto que eles não deveriam ter comido, somente um. Não é preciso muitos pecados para nos apartarmos de Deus, somente um já é o suficiente!

A vida seguiu a assim caminhou a humanidade em passos largos para sua própria decadência e Deus percebeu que estava complicado ter um relacionamento com todos da forma como eles estavam. O intelecto dado por Deus ao homem não foi bem aproveitado e ele viu mais sucesso em adorar a outros deuses do que ao Único que os criou. Era mais fácil culpar a Deus pelo seu próprio erro (Adão) do que assumir a responsabilidade e tentar uma reaproximação através do perdão e do viver conforme Deus queria. Mas é mais fácil andar pelo caminho largo não é verdade? É mais fácil imaginar que podemos tudo sozinhos e que somos autossuficientes para viver uma vida medíocre de acordar, fazer as coisas diárias, cuidar da família, trabalhar, voltar par casa e dormir sabendo e tendo a certeza que vais acordar amanhã e só isso, não é? Medíocre não é xingamento é constatação que tenho de muitos que preferem ser como o significado dessa palavra diz, ficar na média, comum, modesto, pequeno, banal e pobre. Foi para isso que Deus se deu ao trabalho de nos fazer a Sua própria imagem e semelhança, nos dar vida através do seu Espírito e vivermos assim, de forma medíocre? Deus nos fez para sermos mais ou menos? NÃO, NÃO FOI PARA ISSO QUE ESTAMOS HOJE AQUI! Sabe porque afirmo isso? Porque está explicitado em TODA a Palavra de Deus que Ele sempre nos quis para sermos Dele, por Ele e escolhidos como Sacerdócio Real nessa terra, ou seja, somo EMBAIXADORES DE CRISTO. Mas para isso tinha que existir um jeito de se formar uma nova aliança, um novo relacionamento, uma nova chance para que pudéssemos chegar ao Pai sem intermediários. Foi então que Ele se fez carne e como Filho de Deus se apresentou ao Filho do homem. Ele passou seus 33 anos de convívio com a humanidade mostrando que o que tinha que existir era fé, esperança, obediência e principalmente, um relacionamento com Ele, porque aí sim, através de Cristo voltaríamos ao Pai pelo relacionamento que temos com Cristo. Parece difícil isso? Ter um relacionamento com seu Pai? Creio que não...

Entre muitos personagens bíblicos existiram aqueles que foram profundos em seu relacionamento com Deus, tais como Davi, Moisés, Paulo, Pedro, mas também houveram os que conheceram, ouviram falar, mas o nível de relacionamento não era tão profundo assim, tais como Jonas, Ananias e Safira. No último capítulo do livro de Lucas conta uma história que foi com ela que Deus me pediu para refletir a cerca do meu relacionamento com Ele e de como seria este relacionamento. Essa passagem trata-se do momento em que Cristo havia sido crucificado e enterrado lacrado num sepulcro. Era função das mulheres preparar o corpo do morto com especiarias aromáticas para passar no corpo e tendo feito isso Maria Madalena dentre outras, foram até o sepulcro onde jazia o corpo de Jesus, mas se questionaram quem iria rola a imensa pedra para permitir entrada delas. E eis que um Anjo do Senhor apareceu e perguntou o porque estavam procurando por um morto se Ele estava vivo? E lembraram das palavras de Jesus que e Ele afirma que seria crucificado pela mãos dos pecadores, mas que  ressuscitaria ao terceiro dia. Correram as mulheres para contar o ocorrido aos discípulos, mas eles não creram no que elas relataram. Nesse meio tempo em que Pedro corria ao sepulcro para averiguar o relato das mulheres, haviam dois homens que tinham caminhado com Cristo, ouvido suas pregações e visto seus milagres. Eles O conhecia e viu a sua morte na Cruz e eles estavam a caminho de um povoado chamado Emaús que ficava a uns doze quilômetros de Jerusalém. Confabulando a cerca do ocorrido nos dias anteriores, ainda impactados pelo o que tinha presenciado, conversavam sobre o assunto, afinal de contas foi um grande acontecimento esse dia. Estavam eles pelo caminho e Jesus se aproximou deles que ainda falavam sobre o assunto da morte que haviam presenciado. Os olhos deles foram impedidos de reconhecer quem caminhava junto com eles. E Cristo questionou o que tanto eles falavam e porque de tanta tristeza ao longo do caminho. Se fosse nos dias de hoje seria assim: vc não ligou seu celular hoje não né?! Como vc ainda não sabe do que aconteceu, foi o maior bafo! Vc é única pessoa do planeta que está sabendo dos últimos acontecimentos em Jerusalém...Jesus testando mais ainda indaga, mas o que de tão extraordinário aconteceu para que vocês falem tanto? Então um deles que se chamava  Cléopas explanou todos os últimos acontecimentos com riqueza de detalhes, desde que eles conheceram o Jesus profeta e tudo o que Ele fez e falou até, inclusive sobre o "desaparecimento" do corpo do Nazareno. Mas já cheio do bla bla bla deles Jesus os chamou atenção: "Ó tolos de entendimento e lentos de coração para crer em tudo quanto os profetas declaram a vós! Ora não era imprescindível que Cristo padecesse para que entrasse na sua glória?" E assim Jesus foi se mostrando cada vez mais aos andarilhos e depois de aceitar passar a noite com os dois homens e partiu o pão e deu graças e deu-lhes o pão e neste instante, se lhes abriram os olhos e imediatamente O reconheceram; Ele contudo, desapareceu diante dos seus olhos. 

O que podemos tirar dessa história de Lucas 24:1-31? Uma coisa que Deus me chamou muito a minha atenção como as pessoas conhecem, já ouviram falar, já viram os milagres mas não reconhecem a Sua soberania, não conseguem vê-Lo quando Ele se revela e principalmente não O reconhece. Essas pessoas do Caminho de Emaús agiram dessa forma, sabiam Dele, andaram com Ele e não O reconheceram e pior não entenderam a mensagem que Ele declarou no tempo de Seu Ministério. Mas compreendo a atitude deles porque, como é possível caminhar com uma pessoa sem ter com ela um  mínimo de convivência? Relacionamento requer muito mais de convívio esporádico, na base do de vez em quando. Requer muito mais de só ouvir falar da pessoa ou saber o que ela fez; é preciso profundidade e comprometimento para saber quem é, como ele é e suas atitude diante das situações. Relacionamento prima pela convivência diária com o outro e para isso é preciso ter tempo, disponibilidade, vontade, amor, paciência, e a base de todo relacionamento; CONFIANÇA! Os homens de Emaús não tinham esse relacionamento estreito com Jesus.  Diferentemente no caso de Maria Madalena que pelo seu relacionamento, convivência, entendimento e confiança; Marcos relata que foi a esta mulher que Jesus se revelou quando estava ressurreto, ou seja, ela foi a primeira a ver Jesus depois da morte na cruz. Ela tinha um relacionamento muito estreitado com Jesus e é isso que acontece quando nos colocamos com ela, depois de ter sido liberta de uma renca de demônios ela passou a seguir e querer ouvir e aprender e fazer parte do Ministério Dele O ajudando da forma que dava. Ela não foi ordenada apóstola/bispa, ela não pregava a mensagem que Cristo, porque Ele preparou os 12 discípulos para isso, mas mesmo não tendo essa função ela teve um relacionamento genuíno com Cristo. Muitos querem as bênçãos, mas não querem ter relacionamento; querem do sobrenatural, mas não querem relacionamento, querem viver o melhor dessa terra, mas não querem relacionamento, querem ser filhos do dono do ouro e da prata, mas não querem ter relacionamento. Ter relacionamento dá trabalho e principalmente nos força a nos comprometer para chegar cada vez mais próximo do Pai. Temos que nos alinhar, com Deus e a Sua Palavra, temos que ser fora da igreja local o que mostramos ser junto dos irmãos em Cristo, temos que confiar em todas as circunstâncias que Deus está fazendo o melhor para nós mesmo que tudo esteja aos nosso olhos dando errado. Deus continua sendo Deus na nossa vida. Mas quando não temos um relacionamento com Ele fica muito difícil entender que existirão dias que a tempestade vai chegar, que a adversidade vai chegar, mas isso não quer dizer que estamos afastados de Deus. Quando nos relacionamos verdadeiramente com Ele não nos deixamos abater e confiamos que Ele vai nos guardar apesar das aflições. 

Desde quando voltei a postar no Blog por conta de me ver estreitando esse relacionamento com Deus, fiquei firme na certeza de que Ele me usa para escrever o que preciso escrever, porque nada vem de mim... Mas isso só foi possível, porque Ele viu graça na minha vida e eu me entreguei completamente, sem resistências a Ele e somente a Ele. Não houve ninguém ministrando minha vida para isso, foi um tête-a-tête entre Ele e eu e eu e Ele e pude compreender finalmente o que Ele queria de mim. Era só isso que Ele queria; me usar para alcançar pessoas ao redor do mundo, levar reflexão, e principalmente testemunhar que quando temos este relacionamento nossa vida muda, nossa cabeça muda (metanóia), nossos conceitos mudam e deixamos Ele fazer em nós. Ontem fiz eu uma reflexão sobre esse sentimento e esse relacionamento:

"Como TE ignorar e fazer de conta que não TE sinto aqui? O mundo se opôs tantas vezes contra mim, mas por mais que me ferissem Sua chama estava dentro de mim. Como não ter relacionamento contigo sendo que VOCÊ é o que me procurou primeiro antes mesmo que eu fosse gerada, pois já nascido em SEU coração? As lutas vieram, as dores, decepções, maldições, traições, mas VOCÊ sempre esteve comigo não permitindo que eu sucumbisse a vontade do inimigo de não ser salva. Como ignorar a TUA doce presença que trás  consigo aroma de flores e aromas que não afetam de forma negativa como bem sabes, mas enchem meus pulmões com esta fragrância que não sentimos em nenhum outro lugar? Como ignorar SUA densa presença  que não permite fiquemos de pé, porque o tamanho da TUA glória não nos permite isso? Como não sentir o TEU renovo e refrigério sendo tocados em mim, no qual meu peito queima feito fogo e refrigera ao mesmo tempo? Como ignorar? Como não TE enxergar e TE sentir através do  meu espírito encontra com o TEU? Como não me declarar totalmente dependente de TI e saber que apesar de tudo eu estou guardada debaixo de TUAS asas? Pai Amado da minha alma, gratidão é algo que não mereci, mas recebi assim mesmo apesar  dos defeitos, apesar das lutas, apesar dos do meu pecado; mesmo assim o SENHOR viu graça em mim e me amou de forma extraordinária. Como não TE amar? Como não ter um relacionamento CONTIGO? Ter relacionamento envolve comprometimento de ambas as partes e VOCÊ já fez a sua parte e faltava eu reconhecer a minha. Depois de tudo que senti hoje não posso sequer me refutar a escrever sobre RELACIONAMENTO."

Foi isso que orei ontem depois que vim da igreja e de tudo que aconteceu comigo no culto. Tudo que relatei acima aconteceu comigo ontem de verdade. Quando coloquei no título que Relacionamento=Manifestação do Reino era para mostrar qua quando temos esse relacionamento em que nos permitimos ser tocados por Deus de uma forma inimaginável, produziremos a manifestação do Reino através de nosso frutos. Um deles está na sua frente e você está lendo agora. A parte do comprometimento de Deus Jesus o fez na Cruz, porque foi por ela que fomos resgatados, reconciliados e restaurados quando confessamos a nossa dependência única do Pai. Agora é nossa vez de de virar a face dessa mesma moeda e fazer a nossa parte no comprometimento para se ter um relacionamento com Cristo. Pare nesse momento e reflita que tipo de filho você quer ser. Reflita que pessoas que caminham por Emaús você quer ser, as que O conheceram ou as que tiveram um relacionamento  com Ele? Até que ponto você está disposto a servir de instrumento de Deus nos dias de hoje?

Termino com um trecho de uma música que tem me feito refletir e que cabe como uma luva quando tratamos de relacionamento com Deus: 

"Deixa EU te usar, para curar,
Deixa EU te usar para salvar.
Enquanto eu TE uso eu cuido de tudo que te faz chorar"

Isso é ter um Pai...Isso é ter relacionamento com O Pai!


Cristina Miranda - Espaço Elohim